Sinais que ele só vê-lo como um amigo

Ele pode até mesmo hesitar em ir estreita com qualquer cara que não é seu amigo. Um gay pode não ter nenhum sentimento por toque feminino. Estes são bons sinais para saber se o seu amigo cara é um gay. 4) gosta animais como meninas. Quando um cara é um gay que ele presta muita atenção à sua aparência do que normalmente caras fazem. Lembrar de detalhes das conversas de vocês, saber exatamente tudo o que ele te contou na semana passada, independentemente de ser algo bom ou ruim, ou lembrar até mesmo da roupa que ele usou em uma ocasião específica podem ser sinais de que você repara, se importa e se dedica a ele como se fosse praticamente um par romântico. Ainda assim, você deve sentir uma pouco de entusiasmo e expectativa quando for passar algum tempo com ele. Se você não fica feliz de vê-lo, talvez o veja mais como um amigo do que como o amor da sua vida, ou ainda, você pode ter ficado entendiada com o relacionamento. ☀️ como identificar um amigo para a vida inteira: 10 bons sinais ☀️. Vou lançar logo a real: não sou especialista em tantas coisas, mas, se tem uma coisa sobre a qual eu sei é:amizade.Talvez por vir da menor capital do país, talvez por um milhão de outros motivos, tenho 22 anos e amizades de quase 20. Depois que escrevi esse texto aqui, que teve mais de 3.2k compartilhamentos ... Talvez ele esteja procurando conselhos, ou talvez ele apenas deseje desabafar … ou talvez ele perceba o interesse de você e quer ter certeza de que sabe que ele só vê você como um amigo. Isso é direto: um homem que quer ser mais do que amigos com você não falará com você sobre sua vida amorosa ou outras mulheres que ele namora. Você conhece um homem atraente. Ele a corteja com charme, depois disso você se apaixona por ele. Se o relacionamento posteriormente terminar, a percepção de que “ele só queria sexo” geralmente chega tarde demais. Porque como você pode saber com antecedência se seu novo conhecido está pronto para aceitá-lo como você é e amá-lo? Eu sei que você está sentado à noite pensando em sinais mistos de um cara também. Eu sei que você está decodificando cada movimento que ele faz e todo texto que ele envia para você. eu sei. Os sinais mistos de um cara para ficar de olho. Ouça, eu sei que você quer descobrir os sinais mistos e eu vou ajudá-lo a decodificá-los. Se ele mostrar esses 10 sinais, é bastante seguro dizer que ele está. 1. A Maneira Como Ele Te Olha. Ele olha para você como se você fosse um arco-íris, como se não acreditasse que você existe. Ele pode até mesmo dizer 'Eu não posso acreditar que alguém como você está aqui, comigo'. Não é um olhar de luxúria e nem de desejo. Se os seus amigos acreditam que o seu parceiro não existe, porque ele nunca aparece, pode crer que ele só quer sexo com você. E, se ele, por muita insistência, sair com você e os amigos, mas ficar constrangido com qualquer referência a um casal, é uma dica para você saber se ele está te enrolando . Há situações que também nos podem levar a começar a ver esse amigo tão próximo como um potencial parceiro, e que têm a ver com a intimidade compartilhada e a solidão.Quando passamos tanto tempo com uma pessoa que se torna nosso cúmplice, e em paralelo levamos algum tempo sem parceiro, existe a tendência a imaginar como seria uma relação com essa pessoa.

“Aquele rapaz que toda a gente conhece”

2020.07.04 01:46 throwawaypt123123 “Aquele rapaz que toda a gente conhece”

Esse, era eu quando era novo. O popular. O “fixe”. O que tinha boas notas, mas não se juntava com os “nerds”. O que só fazia porcaria nas aulas. O que jogava bem à bola. O que se chegava à frente.
Era o centro de toda a atenção sem a procurar. Era assim e pronto. Olhando para trás, vejo que os meus colegas ou me admiravam, ou me invejavam. De qualquer maneira, não passava indiferente a ninguém.
O meu gosto natural pela aprendizagem levou-me sempre a ter excelentes classificações durante esses anos, embora me juntasse com os “piorzinhos”. No entanto, algo viria a mudar. O meu interesse desvaneceu. De repente questionava-me o porquê de estar a aprender aquilo, e deixei de apreciar o processo independentemente do conteúdo. Cresci e comecei a questionar-me das coisas? Talvez os professores tivessem piorado? Os colegas mudaram? A matéria lecionada deixou de ser relevante? Talvez um pouco de tudo.
E aí está o grande e popular OP, com por volta de 18 anos, a chumbar no 12ºano e longe de ser o centro das atenções (pelo contrário), irreconhecível. Que se passou? Para além do facto das minhas notas terem baixado drasticamente, a minha personalidade também se alterou. Coisas da adolescência? O grupo social que me seguiu durante grande parte até aos 16 separou-se. De repente, uma nova turma, que apesar de com certeza ter ouvido alguns dos meus “feitos”, não me conhecia, não sabia o “boss” que eu era. Um pequeno, mas gigante, passo fora da minha zona de conforto. E porque não continuar a ser eu, nesta nova etapa? Poderia continuar a ser “aquele”. Mas não. Encolhi. Medo. Da rejeição? Da reação das outras pessoas? Desta última, sem dúvida. Aquela idade em que se começa a ter a dita “noção”. E passei a gostar de estar nas “sidelines”. O discreto. Não era forte o suficiente para dar passos fora da minha “cena”.
Hoje, compreendo como sair da nossa zona de conforto é das coisas mais importantes da vida. Mas retomemos. Mal eu sabia como a minha vida ainda estaria para piorar.
Chumbado. Imagino como alguns colegas de infância se questionaram (ou regozijaram) perante tal coisa. Para além do desapontamento geral da minha família, a perda da continuidade natural do processo de passagem para a universidade fez-me perder grande parte do contacto com os meus amigos. E aí, pela primeira vez, tive um relance do que é estar sozinho. Eles lá, a viver tudo aquilo que é o afamado ano de “caloiro”, e eu cá, preso por uma disciplina da treta. Um ano horrível.
O meu pai. Um pai “à maneira antiga” talvez? Nunca fomos amigos. Trabalho, desenrascanço, responsabilidade. Aquilo que ele me ensinou. Do nada, cancro. 1 mês de tratamento. E pronto. Mas porquê? Uma pressão enorme. Enorme demais para eu aguentar na altura. Pressão de não saber como reagir, como sentir, como lidar. Não tenho apoio. Estou sozinho. As minhas irmãs têm a vida delas. Não as culpo, nem nunca as vou culpar. Tal como com o meu pai, nunca fomos próximos. A diferença de idades obviamente não ajuda, mas a de personalidades também. Não sei como apoiar a minha mãe. E, de repente, num ano, estou para trás nos estudos, longe dos amigos, sem pai e sem saber o que fazer. Seguir em frente. Passei à disciplina e entrei num curso que na altura pensei que me pudesse devolver o gozo da aprendizagem. Depressa percebi que não.
3 anos. 3 anos em que mal lá pus os pés, 3 anos a gastar rios de dinheiro à minha mãe. Para quê? Para me divertir, para gozar, para viver e tentar recuperar daquele ano sofrível. Que nojo. Arrependo-me de não ter estudado e completado o curso? Uma pergunta difícil de responder. Estaria num emprego certamente com melhores perspetivas de carreira. Mas como estaria como pessoa? Nunca vou saber. Podia estar pior. Quanto a isso, acredito que não me posso dar ao luxo de me arrepender. As variáveis são muitas para calcular se estaria melhor ou pior. O nojo, vem sim de me ter aproveitado da minha mãe para tal feito. Prometi a mim mesmo que não viveria nem mais um cêntimo da boa vontade da minha mãe.
E assim começou o meu novo trajeto. Trabalho. Total independência passou a ser o meu objetivo mais importante. Consegui-o, com certamente erros pelo caminho. No entanto, falta qualquer coisa. Muita coisa.
Socializar é uma coisa difícil para mim nos dias de hoje. Engraçado como as coisas mudam. Dou-me bem com toda a gente, e as pessoas gostam de mim (digo eu). Gosto principalmente dos mais velhos. É fácil dar-se bem com pessoas mais velhas. Sinto que não julgam tão facilmente. As conversas fluem mais naturalmente. Difícil dar-me com as pessoas da minha idade. Não me consigo identificar com muitas coisas. Talvez pelo facto de pensar em como elas não passaram por aquilo que eu já passei. Os poucos amigos que tenho são os mesmos, mas estão longe. É importante mantê-los, mas gostava de fazer novos. Mas não me consigo abrir, tornar-me vulnerável. Tenho muitos colegas, mas não consigo fazer amizades.
Redes sociais? Nunca percebi a lógica. É com certeza um dos motivos pelo qual não me identifico com as pessoas da minha idade. Mas porquê? Sempre vi redes sociais como forma de “autopromoção”. Uma ferramenta para aumentar o nosso próprio ego. Que outro motivo existirá para a dependência das pessoas nesta coisa? A necessidade de nos sentirmos aceites pela sociedade. Sermos “famosos”, de certa forma. O problema, está no facto de ser tudo uma farsa. Essa vontade leva a que as pessoas se apresentem online não como realmente são, mas como querem que os outros as vejam. “Likes”. Imagino como se sentem bem por terem essa aceitação, essa forma de bajulação. Mas esse ego, esse aumento de autoestima, é falso. Faz mal às pessoas. Essas coisas têm de se ganhar pelas nossas ações na vida real. Acredito mesmo nisto. Um cancro da sociedade atual. Querem falar uns com os outros? Existem telemóveis porra. Não me lixem.
Nunca tive uma namorada “a sério”. Tinha o quê, uns 13 anos? Se bem me lembro, chegámos a dar um beijo. Não o considero a sério pela idade que tinha. Deixei a vida passar-me à frente nesta questão, sem dúvida. Beijei outra na universidade. E nada mais. Hoje, percebo o porquê. Pela mesma razão de me ser difícil socializar. Esta armadura que criei à minha volta. Durante estes anos, nunca me apercebi. Do medo. De me tornar vulnerável perante o que me aconteceu. De partilhar sentimentos.
Não estava obviamente preparado para perder o meu pai naquela altura (nunca ninguém está), mas principalmente por causa da minha idade e das outras circunstâncias que me rodeavam. Não sabia. A realidade atingiu-me muito recentemente, anos após o ocorrido. Não tinha maturidade emocional para lidar com a situação. Olho para trás e agora, apenas agora, percebo o meu pai. Também ele tinha esta armadura, um medo de se tornar vulnerável. As razões, não as conheço. Certamente algo o afetou quando era mais novo, tal como me afetou a mim. E sinto uma frustração enorme. Frustração porque nunca conheci verdadeiramente o meu pai por causa disto. Nem consigo imaginar a frustração dele, naquela cama à espera de morrer, após ter passado uma vida desta forma. A última coisa que ele me disse foi para ter cuidado, quando fosse tratar de uma tarefa que usualmente era dele. O tom dele, no entanto, mostrou que aquelas palavras significavam muito mais. Ficaram coisas por dizer, com certeza. Mas a armadura impediu-o. Não só naquele momento, mas em inúmeros anteriores. Está tudo bem pai. Eu vou partir a minha. Não irei deixar o medo conduzir a minha vida. Não posso. Um dia, não vou deixar que os meus filhos não me vejam tal como eu sou. Não te culpo.
Culpa. Como posso culpar alguém? Acredito que temos de tomar responsabilidade por tudo aquilo que nos acontece. Claro, há imprevistos, há coisas que estão fora do nosso controlo. Mas no final de contas, temos escolhas e maneiras de enfrentar as coisas. Isso já é do nosso lado. A vida é só de quem a vive.
Escrevo isto tudo porque conheci alguém. Não só alguém, mas uma rapariga que eu achei que fosse especial para mim. Sinto que a conheço apesar de mal a conhecer. Os sinais de interesse da parte dela estavam lá. E eu, o que fiz? Nada. Absolutamente nada. Pensei demasiado. Se não estaria a imaginar coisas, em como seria possível que uma rapariga tão gira e gentil pudesse estar interessada em mim. E agora passou a oportunidade. Não sei se poderei sequer voltar a vê-la frequentemente. E tive esta súbita realização da minha vida. Este medo enorme de sair da minha zona de conforto fez com que eu perdesse a oportunidade. Quem sabe o que poderia ser? Até podia não dar em nada. Mas agora não sei, e isso é infinitamente pior do que qualquer que fosse o desfecho.
Será que posso culpar o meu passado por isto? O meu pai por ser assim? A minha mãe ou as minhas irmãs? Não. A culpa é minha. Mas esta conclusão não é assim tão negativa. Sinto-me acordado. O mundo ficou um pouco mais claro. E agora cabe-me a mim, abrir-me para ele.
OP, 27 anos.
submitted by throwawaypt123123 to escrita [link] [comments]


2020.05.14 05:43 novadulto Não consigo me manter apegado (a pessoas, coisas, ideias...)

Minha cabeça é meio bagunçada, então já peço desculpas antecipadamente pelo texto meio perdido hahaha.
Sou homem, atualmente com 30 anos, e tenho uma dificuldade enorme de me manter apegado a algo ou a alguém.
No âmbito de relacionamentos lembro que durante o ensino médio eu tinha meu grupo de amigos e a gente tava sempre junto, saía de fim de semana, ia viajar nalgum feriado prolongado... Mas o tempo foi passando e, uns dois anos depois de terminado o ensino médio e perdermos aquele contato diário, comecei a "cansar" deles. A gente ainda saía umas 3 vezes por mês, mas cada vez eu tinha menos vontade praquilo, tava sempre arrumando uma desculpa pra não ir, não procurava mais eles (só falava com alguém se viessem falar comigo antes), até que chegou num momento em que eles me procuravam cada vez menos e finalmente largaram mão de mim. Isso foi há uns 10 anos e eles foram meus últimos amigos de verdade (de lá pra cá tive apenas colegas).
Ainda nos relacionamentos, agora amorosos, tive minha primeira namora de verdade (as outras foram aquelas namoradinhas não tão sérias) na faculdade. Nunca fui o pegador (muito pelo contrário, quando eu arranjava alguém eu já me apaixonava e ficava com ela por uns meses), até por não ser uma pessoa que leva muito jeito na conquista (não sou tímido, converso com todo mundo, mas se for alguma garota por quem estou afim eu travo), mas sempre quis experimentar essa vida (talvez por não ter tido essa experiência e vê-la como algo maravilhoso eu tenha alguns dos problemas nos relacionamentos amorosos que vou relatar a seguir). Vejo uma mulher que me atrai e dou aquela acompanhada com o olho, fico "analisando o material" (não levem pro lado machista da coisa), dou umas fantasiadas... Não chega a ser aquela coisa nojenta de enfiar a mão na calça ou ficar secando a mulher e lambendo os beiços, e obviamente eu tento disfarçar, mas eu dou sim uma boa conferida. Fico imaginando como seria minha vida de pegador, dormindo cada noite com uma, passando um fim de semana com alguma que me agradasse mais... Mas quando começo a namorar tudo isso some - eu só tenho olhos pra minha namorada, me entrego totalmente, sou super disposto quando vamos nos encontrar (normalmente sou meio preguiçoso, de modo a preferir ficar na cama a sair pra passear)... Posso até reparar que outra mulher é bonita, mas não passa disso, de uma mera constatação (assim como posso olhar pra um homem e pensar "esse cara é bonitão" sem que isso signifique que quero pegar ele, ou pensar "que cachorro fofinho" sem querer adotá-lo), não rola qualquer olhar mais prolongado, qualquer fantasia... Até aí maravilha, acho isso até bom já que estou num relacionamento sério e ficar desejando outras não seria saudável pra mim ou pro relacionamento. Acontece que com o passar dos meses eu vou "enjoando" daquele namoro, parece que vira uma obrigação - eu continuo super apaixonado pela minha namorada, mas eu simplesmente começo a não ter mais saco pra ter que sair de casa e ir encontrá-la; junto disso começa a voltar aquele desejo por outras. E aí já não tô mais feliz, sinto que o namoro já deu o que tinha que dar e termino. Já reparei que isso começa uns meses depois que a gente começa a ter uma vida sexual mais ativa (e como costumo namorar "meninas de família" isso costuma levar uns meses), até por isso penso que talvez seja uma "programação biológica" no sentido de passar os genes adiante (apesar de essa parte em especial não rolar graças à camisinha hahaha), de modo que depois que o "objetivo é cumprido" meu organismo não manda mais os mesmos sinais que me faziam querer ficar com aquela pessoa (como se toda aquela paixão fosse só um meio de me fazer chegar no objetivo sexo). Quando termino eu penso comigo "não vale a pena, é sempre a mesma coisa - me apaixono, namoro, me dedico pra caramba só pra depois de um tempo eu me cansar daquilo e terminar tudo" e decido que não vou mais perder tempo com namoros. E aguento bem nessa, fico uns dois anos de boa com isso, até que começa a bater uma puta carência e acabo entrando num novo namoro.
Meu último namoro terminou deve ter 3 anos e até recentemente eu tava de boa com mais uma das minhas decisões de "vou ficar sozinho, é mais fácil assim", mas nessa última semana já começou a bater aquela vontade mais forte de ter um contato mais íntimo com alguém. Normalmente quando vem esse desejo (não confundir com o mero tesão) eu bato uma punheta e tá resolvido, a vontade passa (até por isso acho que o meu desejo de ficar com alguém seja mais sexual/"evolutivo" do que afetivo), mas têm vezes que não, eu bato uma, duas, três e continuo com aquele desejo de "eu quero uma namorada" e já começo a fantasiar sobre como seria a namorada perfeita, como a gente se conheceria, como seria a nossa vida juntos... Esses três últimos dias foram assim.
Importante notar que justamente por isso eu não pretendo ter filhos - além da quebra obrigatória na rotina (coloco o "obrigatória" aqui porque não vejo nenhum problema em quebrar a rotina, desde que isso parta única e exclusivamente de mim) fico pensando se um dia eu simplesmente "enjoar" deles, sem contar que quando a gente ama alguém a gente se preocupa com aquela pessoa, acaba fazendo por elas coisas que não queria ter que fazer... (já percebi que eu quero viver pra mim, que sou uma pessoa egoísta). É como diz a música:
Why can't we give love that one more chance?
[...]
'Cause love's such an old fashioned word And love dares you to care for The people on the edge of the night And love dares you to change our way of Caring about ourselves
Sério, por mais triste que possa ser dizer isso (e me sinto péssimo quando penso nesse tipo de coisa) eu sinto que minha vida seria muito mais fácil se eu não tivesse família, já que eu os amo e me preocupo com eles e isso me impede de levar a vida 100% a minha maneira, de me isolar...
Tenho esse problema de "apego" também com estudos - quando eu tava no colegial não queria nada com nada, acabei fazendo direito porque no meu meio a "sequência natural" do ensino médio é a faculdade e por achar que dos cursos existentes essa era o tinha mais a ver comigo (ledo engano). No começo eu tentava estudar bastante, comprei várias doutrinas e tudo o mais, mas realmente não era pra mim (esse é um curso que eu realmente me arrependo de ter começado). Uns anos depois abandonei e parti pra biologia. Gostei bastante do curso e no começo, novamente, eu estudava bastante, mas com o passar dos semestres ia dando aquela desanimada e eu estudava cada vez menos. Mesmo assim terminei o curso, e desse eu não me arrependo (se é pra ter algum arrependimento é de não ter feito ele logo de cara e de não ter me empenhado mais). Entretanto, durante o curso eu tive muito contato com a galera da licenciatura (fiz bacharel), até porque as turmas eram juntas, e assim que terminei o curso de biologia parti pra pedagogia (eu queria trabalhar com crianças). Assim como no direito eu tinha uma visão bem fantasiosa de como era a área e acabei não durando muito no curso (esse tá fazendo companhia ao direito na sessão de "cursos que me arrependo de ter começado" [afinal representa um tempo perdido]).
Não sei, às vezes parece até que é um mecanismo de autossabotagem (ou autopreservação), como se sempre que eu fosse começar a ficar mais por conta própria, crescer na vida, ter mais responsabilidades, eu desse um jeito de protelar aquilo e voltar à zona de conforto.
Atualmente tô prestando concursos na área de biologia e logo começo em um (apesar de continuar estudando pra ver se passo em algum melhor - de vez em quando eu pego firme nos estudos, sinto que tô aproveitando bem, mas aí de repente dá um desânimo e largo mão) - quero só ver como será, se conseguirei dar o meu melhor e me empenhar como eu gostaria ou se minha cabeça vai dar um jeito de me sabotar e se eu cederei (apesar de eu achar extremamente difícil, já que estarei ganhando dinheiro [um salário que não é bom mas também tá longe de ser ruim], poderei ir morar sozinho, colocar em prática meus planos de juntainvestir um dinheiro e talvez daqui a 30 anos ir morar no campo, viver de renda, totalmente por conta própria...
Outro problema é que eu tô constantemente mudando - às vezes eu quero uma coisa, num outro momento quero outra completamente contrária. Pra exemplificar, quando paro pra pensar em "como seria a vida perfeita" pra mim eu tenho várias versões - em uma eu encontraria uma mulher perfeita, nos apaixonaríamos e viveríamos juntos e felizes para sempre; em outra eu seria o solteirão pegador que "pega e não se apega", que vive viajando pelo mundo; numa terceira inventariam um MMORPG fodão (imagina algo em realidade virtual com conexões neurais, de modo que parece que você realmente tá ali) e eu passaria o dia jogando; e assim por diante, se aparecesse um gênio agora e dissesse "você pode escolher a vida que você quiser e ela será sua" eu sinceramente não saberia escolher.
Obs.: ao falar de "arrependimento" e "tempo perdido" eu entendo que essas experiências me ajudaram a ser quem eu sou hoje, pode ser que sem elas as outras experiências que hoje eu gostei não tivessem sido tão proveitosas (ou mesmo estivessem nessa categoria de "me arrependo") justamente porque eu não tinha a maturidade que elas me deram. De qualquer forma é difícil deixar de pensar em como eu gostaria de não ter perdido tanto tempo com elas.
Mais alguém aqui tem esse tipo de problema? Alguma ideia de como resolver?
submitted by novadulto to desabafos [link] [comments]


2019.10.06 04:28 altovaliriano Eddard Stark

George R. R. Martin reiteradamente afirma que nenhum personagem está a salvo da morte, uma noção que ele lapidou muito habilidosamente para estabelecer na saga. A primeira pedra da fundação desta estrutura é lançada com Eddard "Ned" Stark, ao final de A Guerra dos Tronos.
Ned é visto como personagem central do primeiro livro, no qual ele é apresentado como um pai amoroso, marido dedicado, amigo querido, líder confiável, vassalo leal, homem devoto e cumpridor de sua palavra e deveres. Estas qualidades são apontadas como as razões pela qual os leitores o identificam como o herói da história e alguém para quem torcer.
A história do personagem todos sabemos. Ned estava feliz no Norte com sua família quando notícias de que seu antigo protetor e pai de criação teria sido assassinado e seu rei (e amigo de infância) o nomeia como substituto no cargo de Mão do Rei. Desde o momento em que Ned aceita (relutante) o cargo, sua família começa sofrer com os atritos políticos entre Eddard e a família da Rainha. Em Porto Real, Eddard vai de peixe fora d'água a persona non grata enquanto investiga as circunstâncias da morte de Jon Arryn, até que perde todo o apoio político que tinha na capital com a morte do Rei Robert. Eddard tenta fazer justiça, mas é traído, humilhado e acaba por sequer ganhar a misericórdia que lhe foi prometida.
É muito apontado que Ricardo Plantageneta, o 3º Duque de York (1411-1460) seria a inspiração histórica de GRRM para Eddard Stark. O líder de sua Casa de York nos primeiros anos da Guerra das Rosas havia sido nomeado como Lorde Protetor e Regente da Coroa quando o Rei Henrique VI sofreu um colapso nervoso, traiu a Coroa e enfrentou a Rainha Margaret de Anjou, da Casa de Lancaster, mas acabou derrotado e teve sua cabeça exposta nos portões da cidade de York.
Outra inspiração histórica apontada é um dos filho de Ricardo, que viria a reinar como Ricardo III, que havia tentado usar o testamento de Eduardo IV para se tornar regente de Eduardo V... somente para depois anular o casamento de sua cunhada Elizabeth Woodville com o irmão, declarar seus sobrinhos como bastardos e tomar o trono para si. No fim, foi derrotado pelos filhos do primeiro casamento de Elizabeth.
Mas nenhuma dessas personalidades históricas pode ser tomada como referência direta à Eddard Stark, uma vez que a forma como Martin retratou Eddard parece ter sido moldada tendo em vista as necessidades da ficção e não como um estudo da história do mundo real. Portanto, é necessário avaliar a construção da personalidade de Ned Stark dentro das exigências de "As Crônicas de Gelo e Fogo".
Assim, para entender Eddard, proponho questionarmos sua criação, suas relações pessoais e suas relações políticas.
EDDARD, O ANIMAL HUMANO
Eddard nasceu como segundo filho de Rickard e Lyarra Karstark, mas sem demora foi substituído como caçula por Lyanna e Benjen. Ser um filho do meio já evoca uma série de questões sobre auto-estima e favoritismo em um núcleo familiar, especialmente em uma sociedade como a de Westeros, em que toda a fortuna da família é passada apenas para o primeiro herdeiro na linha de sucessão.
Tudo isto parecia ser verdade na família Stark. Ned relata que foi seu irmão mais velho, Brandon, quem recebeu toda a educação senhorial e era tido como o próximo senhor, até mesmo por Eddard, que não nutria nenhuma esperança de herdar Winterfell.
Neste contexto, o papel que um segundo irmão deveria desempenhar era o de leal vassalo do irmão mais velho. Não sabemos se a personalidade de Eddard foi determinante para que ele absorvesse essa postura ou se estas lições lhe foram passadas por seus pais ou por Jon Arryn. Contudo, sabemos que é assim que Eddard entendia seu papel dentro de sua família. Afinal, foram a estas lições que ele recorreu quando explicou a seu segundo filho, Bran, qual deveria ser seu papel diante do primogênito Robb.
De todo modo, se seu papel secundário e instrumental não estava claro durante sua infância em Winterfell, deve ter ficado muito claro quando foi enviado para o Ninho da Águia, para ser criado por um estranho. Ao contrário de Robert, Ned parece ter voltado pouco para a sede de sua Casa durante sua adolescência, fazendo com que seus laços com sua família e os nortenhos fossem notoriamente mais fracos do que os de Brandon, que foi criado em Vila Acidentada. Na verdade, Brandon era de tal carisma que conquistaria amigos até mesmo no Vale de Arryn.
Por outro lado, Ned é descrito como tímido, reservado, com aparência solene, coração e olhos gelados que parecem julgar os outros com desdém. Talvez isso tenha sido desenvolvido depois de adulto, e em razão das adversidades que enfrentou. Talvez estas características estivessem com ele desde que ele fosse criança. Assim, é possível que tenha deixado poucas amizades para trás quando partiu com oito anos para o Ninho da Águia.
Uma vez sob a tutela de Jon Arryn, a vida parece ter sido diferente. Como Jon Arryn havia perdido sua segunda esposa, irmão e sobrinho e não tinha filho algum, Robert e Ned eram como se fossem seus filhos mais velho e mais novo, respectivamente. Durante os nove anos que ficou por lá, é imaginável que Eddard tenha recebido muito mais deferências do que recebia de seu próprio pai em Winterfell.
Na verdade, a propalada honra de Ned Stark pode ser mais fruto de sua criação junto a Arryn do que derivada dos Stark. Não só porque a honra é uma das marcas daquela outra Casa ("Alto como a honra"), como o próprio Jon Arryn demonstrou que punha a honra frente a cega obediência (como quando se recusou a entregar Robert e Ned a Aerys e iniciou uma Rebelião por isso).
Já sobre os Stark de Rickard, por sua vez, paira uma suspeita de que tinham tanta sede de poder e influência quanto tinham de sangue (o tal "sangue de lobo"). Talvez por isso também que sejam tão notórias as diferenças entre Eddard e seus irmãos. Para além de uma mera incompatibilidade de gênios, pode ter havido uma incompatibilidade de criação.
Eddard não deixou de amar os irmãos, entretanto. Ainda que ele condene as atitudes de Brandon e Lyanna, Ned encomendou estátuas mortuárias para todos eles nas criptas de Winterfell, algo inédito na tradição Stark, que demonstra quão profundamente sentimental ele era, especialmente para seus familiares que tiveram um fim trágico.
Contudo, as vezes parece que a verdadeira família de Eddard, aquela que era dona de seu coração era triângulo que formava com Jon Arryn e Robert Baratheon. De fato, ao saber primeiro da morte de Arryn e depois da visita de Robert logo no começo de A Guerra dos Tronos, Ned vai da escuridão a luz: ele perdeu uma parte importante de sua família postiça, mas outra está a caminho para uma visita inesperada.
Por alguma razão que eu ainda não entendo completamente, entretanto, Ned parecia amar Lyanna acima até mesmo de Robert (apesar de ele achar que Robert tinha uma devoção por ela ainda maior do que a dele - AGOT, Eddard I). Nas memórias de Eddard, Lyanna era uma "menina-mulher de inigualável encanto" e, se foram verdade as especulações de que Lyanna o teria visitado às vezes enquanto ele esteve no Vale, poderia ser um indício de que entre ele e Lyanna havia uma intimidade ímpar na família Stark.
Durante "A Guerra dos Tronos", há vários instantes em que essa intimidade e as promessas que Lyanna requereu em seu leito de morte ecoaram. Mas um dos momentos que eu julgo mais significativo foi quando Robert, também em seu leito de morte, cita e imita Lyanna:
Saudarei Lyanna por você, Ned. Tome conta dos meus filhos por mim. [...]
– Eu… defenderei seus filhos como se fossem meus – respondeu lentamente.
(AGOT, Eddard XIII)
Esta coincidência parece indicar que Lyanna e Robert foram as figuras fraternas centrais na vida de Eddard.
NED, PARA OS ÍNTIMOS
Já foram explorados acima vários aspectos da personalidade íntima de Ned. Mas é preciso discriminar melhor. E o primeiro deles se refere à visão que, durante a infância, Ned tinha de sua família e vice-versa.
Sobre seu pai e mãe, pouco conhecemos através de Ned. E isso parece indicar que há uma distância, tanto porque não era um filho com deferência de nenhum deles, quanto porque ele desenvolveu sua psicologia longe de casa, sob a tutela de sua icônica figura paterna, Jon Arryn.
Sobre seus irmãos, Ned passou a vida à sombra de Brandon (sendo suplantado por ele até na tarefa de conseguir para si próprio uma dança com a garota por quem ele se apaixonou), mas até parecia apreciar esta posição, pois sentia-se mais confortável na posição de irmão cumpridor de seu dever.
Quanto à Lyanna, há muitos indícios de sua intimidade, o que talvez decorresse de seu temperamento analítico, em contraste com o sangue de loba dela. O modo como Eddard tentou persuadir Lyanna de que Robert seria um bom partido parece revelar que Eddard pensava ter algum influência sobre ela. Ao mesmo tempo, Eddard afirma que Robert não conhecia a garota como ele. Pode ser, inclusive, que a falta de de rancor de Eddard por Rhaegar e sua reação mais moderada quando o príncipe a coroou Rainha da Beleza e do Amor em Harrenhal decorram de um certo conhecimento sobre a natureza de Lyanna e de como ela poderia estar correspondendo àquilo.
Sobre Benjen, o relacionamento com Eddard parece mais distante. É curioso pensar que, sendo o outro único filho sobrevivente de Rickard e Lyarra, somente tenha se aproximado melhor de Ned nos anos entre o fim da Rebelião de Robert e seu ingresso para a Patrulha da Noite. É possível, inclusive, que essa falta de intimidade, aliada com o fato de Ned já ter retornado a Winterfell com dois filhos homens, tenham sido decisiva na decisão de Benjen ir para a Muralha.
O segundo aspecto da personalidade íntima de Eddard é como ele se portou durante sua idade adulta, enquanto fazia amigos, vivia amores e formava uma família.
Eddard nunca é descrito como sendo um homem atraente ou um amante encantador. Na verdade, Catelyn fala como ficou desapontada com ele ser mais baixo e melancólico e ter um rosto mais simples que o de Brandon. Mas ela afirma que com o tempo descobriu o amor no coração "bom e doce" de Ned.
É interessante notar que essa foi a mesma opinião que ela deu sobre o Norte a Lynesse Hightower:
Lembrava-se de como a Senhora Lynesse era jovem, bela e infeliz. Uma noite, após várias taças de vinho, confessara a Catelyn que o Norte não era lugar para uma Hightower de Vilavelha.
– Houve uma Tully de Correrrio que sentiu o mesmo um dia – Catelyn respondeu com gentileza, tentando consolá-la –, mas, com o tempo, encontrou aqui muitas coisas que podia amar.
(ASOS, Catelyn V)
Portanto, Ned é uma alegoria do Norte: inóspito, simples e melancólico, mas que guarda algum tipo beleza e calor. A próprioa Lyanna é descrita como uma bruta por alguns (meistre Yandel) e uma beleza selvagem por outros (Kevan Lannister). Sabemos que Ned não tinha a natureza da irmã, mas poderia ter um pouco dessa beleza selvagem? Talvez Ashara o tenha visto sob essa ótica? Talvez nunca saberemos.
O que sabemos com certeza é que Eddard era um marido dedicado, assim com Catelyn era uma esposa dedicada. Ironicamente, dois cumpridores de seu dever conseguiram fazer surgir amor em um casamento arranjado que era o substituto de outro casamento arranjado. A forma como Eddard se obrigou a respeitar até a crença religiosa da mulher é tocante (construindo um septo para ela e trazendo um septão a Winterfell).
Isto é diferente do tipo de amor que Robert tem por ele. A amizade entre os dois parece o típico caso em que um extrovertido carismático adota um introvertido sem amigos. Este tipo de relação - que é imposta por outra pessoa - parece ser o tipo com que Eddard lida bem. Ironicamente, poderíamos dizer que Ned só é amigo de seu "chefe", o que combina com sua lição a Jon de que um senhor nunca deve ser amigo dos homens que comanda (ADWD, Jon III).
Como pai, Ned era muito efetivo e marcou seus filhos profundamente. Podemos ver os resultados de sua criação naqueles que amadureceram antes de sua morte. Robb havia absorvido todo o dever, a honra e o senso de justiça do pai, se tornando um Eddard em pele de Tully. Jon seria sua imagem e semelhança, caso não fosse filho de outros e não tivesse sido acossado a vida inteira por Catelyn. Ainda assim, é incrível que toda essa adversidade não o tornou menos cópia de seu "pai". É notório que Jon é mais orgulhoso que Robb, mas isso é uma coisa sua, talvez um mecanismo de defesa, resultado de um complexo de inferioridade, ou apenas das falsas certezas da juventude.
Bran, Arya e Rickon eram jovens demais para que a influência do pai cristalizasse em sua personalidade. Portanto, eles hoje estão suscetíveis à influência de outras figuras paternas na jornada que enfrentam. Ainda assim, pequenas lições de Eddard continuam a ecoar neles mesmo anos mais tarde. Bran ainda se lembra sobre como seu pai dizia que apenas diante do medo os homens podem ser corajosos, e Arya procura uma matilha constantemente para não perecer como o lobo solitário 'quando os ventos brancos se erguerem'.
O caso oposto foi o que aconteceu com Theon Greyjoy. Nem todo o tratamento com deferência que lhe foi oferecido em Winterfell resultou em boas relações com Ned. Ainda que descontemos seu conflitos internos pessoais (assunto para outro texto), esta repulsa de Theon pode ser explicada pelo fato de que ele havia crescido e sido educado dentro de uma cultura que odeia os habitantes do continente, em especial os nortenhos. Portanto, diante da educação recebida nas Ilhas de Ferro e do tratamento solene que lhe era dirigido, não parece inverossímil que ele mais tarde alegue que era sempre lembrado de sua condição de prisioneiro e pense que Eddard era frio com ele.
Entretanto, como visto em A Dança dos Dragões, o verdadeiro ressentimento de Theon era saber que nunca seria parte da família Stark. De fato, havia semelhanças demais entre a história de Ned e Theon para que suponhamos que Ned não tivesse boa dose de tato quando eles se relacionavam. Ned também havia sido retirado de casa quando ainda era criança para ir morar com um estranho em uma terra estranha. Ainda que sua condição no Ninho da Águia fosse bastante menos opressora do que a de Theon em Winterfell, ninguém poderia dizer que Ned foi voluntariamente enviado para o Vale. Assim, As conclusões de Theon serão sempre injustas.
Mas esse não é o caso mais interessante e agudo entre as crianças criadas por Ned. O relacionamento mais desafiador e com mais consequência era aquele com sua filha Sansa. Comecemos por dizer que não havia nada afetivamente errado entre eles, mas as circunstâncias tornaram as falhas deste relacionamento em um sintoma do que havia de errado no próprio Eddard como Mão do Rei. Em síntese, os erros de Sansa também foram erros de Ned.
Durante os eventos sinistros que ocorreram em A Guerra dos Tronos, Ned repetidamente deixa suas filhas no escuro sobre o que realmente estava se passando. Em razão da diferença de naturezas, Arya e Sansa têm respostas diferentes às situações. Eddard tem mais sucesso em apaziguar Arya, cujas semelhanças com Lyanna podem ter ajudado com que ele a compreende-se melhor (veja: Eddard até permitiu que Arya tivesse treinamento em armas quando sabe-se que o próprio Lorde Rickard não o permitiu a Lyanna).
Contudo, Sansa não é uma garota que tinha 'ferro por baixo da beleza', como Lyanna. Sansa é a garota para quem 'a cortesia era a armadura de uma dama'. E é justamente aqui esta a falha de Eddard. Ned não tem traquejo social, não entende de sutilezas e acaba traído e executado justamente por isso. Portanto, não é nenhum coincidência ou ironia que Sansa esteja sob a tutela e controle do homem que conhecia o suficiente de sutilezas para, por exemplo, trair e garantir a execução de Ned e ainda sair de mãos limpas e levando a filha que Ned não soube lidar adequadamente.
Mas a bizarra relação pai-filha entre Mindinho e Sansa é assunto para outro texto.
LORDE EDDARD STARK
Eddard Stark foi Lorde de Winterfell e guardião do Norte por 15 anos e é amado o suficiente na região para que pessoas arrisquem as próprias vidas em intrigas e guerras para proteger seus filhos. Mas se era Brandon quem teve a educação senhorial adequada e Ned não é carismático ou tem traquejo social, como isso é possível? Muito facilmente, alguém responderia que isso se deve a um longo verão de 10 anos. Mas não é só isso, á traços da personalidade de Eddard que o tornam um bom senhor.
O primeiro deriva de uma afirmação de Catelyn lembranda por Arya quando viu Tywin Lannister em Harrenhal:
Lorde Lannister tinha um aspecto forte para um velho, com rígidas suíças douradas e uma cabeça calva. Havia algo no seu rosto que fazia Arya lembrar-se de seu pai, embora não se parecessem em nada. Tem uma cara de senhor, é só isso, disse a si mesma. Lembrava-se de ouvir a senhora sua mãe dizer ao pai para envergar a cara de senhor e ir tratar de algum assunto. O pai ria daquilo. Arya não conseguia imaginar Lorde Tywin rindo de qualquer coisa.
(ACOK, Arya VII)
Como se vê, Eddard tinha cara de Lorde. O suficiente para ser comparável a ninguém menos do que Tywin Lannister. Pode parecer irrelevante, mas é algo que o próprio Bran também nota, como Eddard assumia o rosto do Senhor de Winterfell logo no primeira capítulo do primeiro livro.
O segundo é que Ned não faz separação entre o público e o privado. Sua relação com seus próprios servos é muito pessoal. A ponto de achar que o Senhor devia ceiar com seus homens e conhecê-los, para que eles não morram por um estranho (AGOT, Arya II). Esta tipo de política pessoal é tipicamente nortenha. É o tipo de política que mais tarde Jon Snow indica a Stannis Baratheon a seguir: deixe que eles lhe conheçam e eles lhe seguirão.
Este tipo de política, contudo, não é o que seria útil em Porto Real. Mas também este erro não pode ser atribuído totalmente a Ned. O primeiro erro foi de Robert, que selecionou Ned com base na confiança, não em suas competências. Caso Robert, tivesse olhado para sua própria família (como Stannis esperava, por isso que ele partiu para Pedra do Dragão depois que Robert o pulou), talvez o conflito contra os Lannister teria sido muito mais restrito e menos danoso ao reino.
Havia sinais que Robert deixou de ler quando selecionou Eddard para o cargo de Mão. O primeiro era que Eddard era essencialmente um soldado. Jaime Lannister, quando avalia Randyll Tarly como candidato a Mão de Tommen, ele avalia que um soldado é uma "fraca Mão para tempos de paz" (AFFC, Cersei II). E isto é especialmente verdade quando notamos que Eddard é um agente político sem agenda ou ambição. Na ausência de um conflito real, ele é apenas alguém segurando a cadeira para outra pessoa (e que não via a hora de ir embora).
Talvez tenha sido o fato de que Ned continuou no Norte a se portar como um segundo irmão obediente e não causar problemas a Porto Real que tenha feito Robert pensar que Lorde Stark daria uma boa mão. Mas a postura isolacionista de Eddard deveria ter funcionado como um sinal de que o homem não saberia lidar com costumes da política sulista.
Porém, no final, Robert preferiu algo que lhe trouxesse conforto e familiaridade. E a falta de traquejo de Ned cobrou seu preço. Desde o primeiro encontro com o conselho, Eddard demonstrou que não tinha talento para fazer aliados, não estava acostumado a não ter a palavra final e tinha uma retórica rudimentar. Todas estas qualidades reunidas fazem de uma pessoa um imã de inimizades.
Fora isso, Ned não se cercou de pessoas que poderia confiar, tampouco agiu para a destituição de pessoas de quem ele desconfiava do conselho do rei (o que seria de alguma fácil de conseguir, já que metade do conselho era de baixo nascimento).
Por fim, quando seus erros de cálculo se acumularam e circunstância fora de seu controle se mostraram desfavoráveis, Eddard julgou que poderia usar seu cargo e uma força mercenária (patrulheiros da cidade subornados) para resolver tudo e cometeu mais um erro de subestimar Cersei, dando-lhe uma chance de fugir, no que ele classificou como "a loucura da misericórida".
No final, os Lannisters usaram sua própria honra contra ele, fazendo com que ele confessasse ter fabricado a verdade pela qual seus homens morreram em seu golpe de estado fracassado.
EDDARD, O MORTO
Primeiro, temos que afirmar o óbvio: Ned não está vivendo uma segunda vida em algum pombo em Porto Real, como afirma a infame e bizarra teoria. Nós estivemos na cabeça de Eddard e ele nunca teve sonhos de warg ou qualquer experiência de troca-peles.
Mas, fora de questões lúdicas, por que Martin matou Ned?
Algumas pessoas pensam que, ao matá-lo, GRRM estava dando o tom dos livros. Pessoas sem capacidade de se adaptar não estariam aptos a serem parte do jogo dos tronos e seriam alvo fácil para jogadores mais talentosos e experientes.
Outros afirmam que foi justamente para mostrar que assim eram as políticas medievais, e que Martin está apenas sendo realista e fiel ao tom da história de nosso mundo. Porém, Martin já afirmou enfaticamente não ter ou defender uma visão niilista do mundo.
Eu gostaria de propor uma terceira via: que Ned foi morto por circunstâncias fora de seu controle. Afinal, no fim, sua morte não era prevista nem por seus inimigos. Foi apenas um capricho de Joffrey, assim como a tentativa de assassinato de Bran.
Qualquer que tenha sido a razão para Ned morrer pela própria espada que ele executa Gared no início dos livros, a morte de Eddard aparentemente já era prenunciada (foreshadowed) desde o começo do livro, com a descoberta a loba gigante morta e seus filhotes desamparados perdidos no mundo.
submitted by altovaliriano to Valiria [link] [comments]


2019.01.07 05:06 sorvetegatinho Paulo

Pedaços de algodão e gaze amarelos de pus enchem o balde. Abriram todas as vidraças. E no calor da sala mergulho num banho de suor. Já me vestiram diversos camisões brancos, que em poucos minutos se ensoparam. Não posso afastar os panos molhados e ardentes.
As crianças estiveram a correr no chão lavado a petróleo.
— Retirem essas crianças.
Inútil trazê-las para aqui, mostrar-lhes o corpo que se desmancha numa cama estreita de hospital. Não as distingui bem na garoa que invade a sala: são criaturas estranhas, a recordação das suas fisionomias apagadas fatiga-me.
— Retirem essas crianças barulhentas.
As paredes amarelas cobrem-se de pus, o teto cobre-se de pus. A minha carne, que apodrece, suja a gaze e o algodão, espalha-se no teto e nas paredes.
A alguns passos, uma figura de mulher se evapora. Aproxima-se, está quase visível, tem uma cara amiga, uma vida que esteve presa à minha. Mas essa criatura, dificilmente organizada, pesa demais dentro de mim, necessito esforço enorme para conservar unidas as suas partes que se querem desagregar.
As minhas pálpebras cerram-se, a mulher esmorece, transforma-se em sombra pálida. Se me fosse possível falar, pedir-lheia que me deixasse.
Os médicos estiveram aqui há pouco, fizeram o curativo. Enquanto amarravam a atadura, os enfermeiros me levantavam, e eu me sentia leve, parecia-me que ia voar, flutuar como balão, esgueirar-me por uma janela, fugir do cheiro de petróleo e do calor, ganhar o espaço, fazer companhia aos urubus. As palmas dos coqueiros ficariam longe, na praia branca, invisíveis como a mulher que desapareceu na sala neblinosa. Os meus olhos não podem varar esta neblina densa.
Creio que dormi horas. O balde sumiu-se. Muitas pessoas falam, há um burburinho interminável na escuridão. Seria bom que me deixassem em paz. A conversa comprida rola na sala enorme; a sala é uma praça cheia de movimento e rumor.
A imobilidade atormenta-me, desejo gritar, mas apenas consigo gemer baixinho. Se pudesse, diria qualquer coisa à figura alvacenta, que tem agora as feições de minha mulher. Um assunto me preocupa, mas certamente ela não me entenderia se eu fosse capaz de expressar-me. Contudo necessito pedir-lhe que mande chamar o médico. A voz sai-me arrastada, provavelmente digo incongruências. Minha mulher espanta-se, grande aflição marcada nos beiços lívidos e na ruga da testa.
Aborreço-me, exijo que me levem para a enfermaria dos indigentes. Estaria lá melhor, talvez lá me compreendessem. Horríveis estas paredes. Sinto-me abandonado, lamento-me, injurio a criatura solícita que se chega à cama. Por que me olha com olhos de mal-assombrado? Não percebeu o que eu disse? Bom que me mandassem para a enfermaria dos indigentes.
A ferida tortura-me, uma ferida que muda de lugar e está em todo o lado direito. Procuro convencer minha mulher de que o lado direito se inutilizou e é conveniente suprimi-lo.
A enfermaria dos indigentes.
Que fim teria levado o médico? Ele me compreenderia, não me olharia com espanto e ruga na testa.
A minha banda direita está perdida, não há meio de salvá-la. As pastas de algodão ficam amarelas, sinto que me decomponho, que uma perna, um braço, metade da cabeça, já não me pertencem, querem largar-me. Por que não me levam outra vez para a mesa de operações? Abrir-me-iam pelo meio, dividir-me-iam em dois. Ficaria aqui a parte esquerda, a direita iria para o mármore do necrotério. Cortar-me, libertar-me deste miserável que se agarrou a mim e tenta corromper-me.
A neblina se dissipa, as paredes se aproximam, estão visíveis as folhas dos coqueiros e o telhado da penitenciária, o avental da enfermeira aparece e desaparece.
A ruga da testa de minha mulher desfez-se. Provavelmente ela supôs que o delírio tinha terminado. Absurdo imaginar um indivíduo preso a mim, um indivíduo que, na mesa de operações, se afastaria para sempre. Arrependo-me de ter revelado a existência do intruso. Certamente minha mulher vai afligir-se com a loucura que me persegue.
Fecho os olhos, vexado, como um menino surpreendido a praticar tolice. Finjo dormir: talvez minha mulher julgue que falei em sonho. Contenho a respiração, o suor corre-me na cara e no pescoço.
Lá fora eu era um sujeito aperreado por trabalhos maçadores, andava para cima e para baixo, como uma barata. Nunca estava em casa. Recolhia-me cedo, mas o pensamento corria longe, fazia voltas em redor de negócios desagradáveis. Recordações de tipos odiosos, rancor, a ideia de ter sido humilhado, muitos anos antes, por um sujeito que se multiplicava.
O nevoeiro embranquece novamente a sala, as paredes somem-se, o rosto da mulher mexe-se numa sombra leitosa. Torno a desejar que me levem para a mesa de operações, cortem as amarras que me ligam ao intruso.
Evidentemente uma pessoa achacada tomou conta de mim. Esta criatura surgiu há dois meses, todos os dias me xinga e ameaça, especialmente de noite ou quando estou só. Zango-me, discuto com ela, penso em João Teodósio, espirita e maluco. João Teodósio tem olhos medonhos, parece olhar para dentro e fala nos bondes com passageiros invisíveis. O homem que se apoderou do meu lado direito não tem cara e ordinariamente é silencioso. Mas incomoda-me. Defendo-me, grito palavrões, e o sem-vergonha escuta-me com um sorriso falso, um sorriso impossível, porque ele não tem boca.
Tentei ler um jornal. As linhas misturavam-se, indecifráveis. Receei endoidecer, mastiguei uns nomes que minha mulher não entendeu, queixei-me do médico e de Paulo. Como ela não conhecia Paulo, impacientei-me, julguei-a estúpida, esforcei-me por me virar para o outro lado, o que não consegui.
Certamente as criaturas que me cercam embruteceram, são como as crianças que estiveram correndo no chão lavado a petróleo. A enfermeira tem caprichos esquisitos, o médico não perceberá que é necessário operar-me de novo, minha mulher franze a testa e arregala os olhos ouvindo as coisas mais simples.
Comecei um discurso, uma espécie de conferência, para explicar quem é Paulo, mas atrapalhei-me, cansei e desprezei aquelas inteligências tacanhas. Tempo perdido. Sentia-me superior aos outros, apesar de não me ser possível exprimir-me.
Realmente Paulo é inexplicável: falta-lhe o rosto, e o seu corpo é esta carne que se imobiliza e apodrece, colada à cama do hospital. Entretanto sorri. Um sorriso medonho, sem dentes, sorriso amarelo que escorre pelas paredes, sorriso nauseabundo que se derrama no chão lavado a petróleo.
Escurece. A camisa molhada já não me escalda a pele: esfriou, gelou. E os meus dentes batem castanholas. Morrem os cochichos que zumbiam na sala. Alguém me pega um braço, dedos procuram a artéria.
A escuridão se atenua, o burburinho confuso reaparece, a camisa torna a queimar-me a pele, os dentes calam-se. Incomoda-me a pressão que me fazem no pulso, tento libertar o braço. A mão desconhecida tateia, procurando a artéria. Há um zum-zum na sala, vozes confundem-se como rumor de asas num cortiço. Sinto ferroadas terríveis na ferida.
Os dedos seguram-me, tenho a impressão de que Paulo me agarra. Um ruído enfadonho, provavelmente reprodução de maçadas antigas, berros de patrões, ordens, exigências, choradeira, gemidos, pragas, transforma-se num sussurro de abelhas que Paulo me sopra ao ouvido. Agito a cabeça para afugentar o som importuno. Se pudesse, cobriria as orelhas com as palmas das mãos.
Afinal ignoro quem é Paulo e reconheço que minha mulher tem razão quando me oferece pedaços de realidade: visitas de amigos, colheres de remédio, a comida horrível.
Devo aceitar isso. Curar-me-ei, percorrerei as ruas como os outros. A princípio arrastar-me-ei pelos corredores do hospital, com muletas, parando às portas das enfermarias dos indigentes; depois sairei, a perna ainda encolhida, andarei escorado a uma bengala, habituar-me-ei a subir nos bondes, verei João Teodósio fazendo sinais misteriosos a um lugar vazio.
Preciso resistir às ideias estranhas que me assaltam. Bebo o remédio, peço a injeção, espero ansioso que o médico venha mudar a gaze e o algodão molhado de pus.
Entrarei nos cafés, conversarei sobre política. Uma, duas vezes por semana, irei com minha mulher ao cinema. De volta, comentaremos a fita, papaguearemos um minuto com os vizinhos na calçada. Não nos deteremos diante da porta de João Teodósio. Apressaremos o passo, fugiremos daqueles olhos medonhos de quem vê almas.
Em que estará pensando João Teodósio? Minha mulher interroga-me admirada, repete palavras incoerentes que dirigi a João Teodósio.
Sem querer, entro a palestrar com ele, de volta do cinema. Apoio-me à bengala e suspendo um pouco a perna avariada.
A ferida começa a torturar-me. Não estou de pé, cavaqueando com um vizinho amalucado, estou de costas num colchão duro. Veio-me um acesso de tosse, e o tubo de borracha que me atravessa a barriga parece um punhal. Gemo, o suor corre-me entre as costelas magras como as de um cachorro esfomeado. Tenho sede. A enfermeira chega-me aos beiços gretados um cálice de água. Bebo, ponho-me a soluçar. Os soluços sacodem-me, rasgam-me, enterram-me o punhal nas entranhas.
Estou sendo assassinado. Em redor tudo se transforma. O avental da enfermeira ficou transparente como vidro. Minha mulher abandonou-me. Acho-me numa floresta, caído, as costas ferindo-se no chão, e um assassino fura-me lentamente a barriga. As paredes recuam, fundem-se com o céu, as folhas dos coqueiros tremem, e passa entre elas o cochicho que zumbe na sala.
Paulo está curvado por cima de mim, remexe com um punhal a ferida. Estertor de moribundo na floresta, perto de um pântano. Há uma nata de petróleo na água estagnada, coaxam rãs na sala.
Não conheço Paulo. Tento explicar-lhe que não o conheço, que ele não tem motivo para matar-me. Nunca lhe fiz mal, passei a vida ocupado em trabalhos difíceis, caindo, levantando-me, cansado. Peço-lhe que me deixe, balbucio súplicas nojentas. Não lhe quero mal, não o conheço.
Mentira. Sempre vivemos juntos. Desejo que me operem e me livrem dele.
Sairei pelas ruas, leve, e o meu coração baterá como o coração das crianças. Paulo ficará na mesa de operações, continuará a decompor-se no mármore do necrotério.
O que estou dizendo, a gemer, a espojar-me, é falsidade. Paulo compreende-me. Curva-se, olha-me sem olhos, espalha em roda um sorriso repugnante e viscoso que treme no ar.
Uma figura branca desmaia. O burburinho finda. Alguém me segura novamente o braço, procurando a artéria. O punhal revolve a chaga que me mata.

- Graciliano Ramos
submitted by sorvetegatinho to historias_de_terror [link] [comments]


2018.01.27 23:33 aleluia1983 Só vai ser alegria mesmo com Jesus Cristo

Agora sim estou na Igreja para fazer o que mais gosto está até colado no meu nome cantar louvores ao meu Deus e dar glória ao seu nome. O que eu vejo é um milagre muito grande não o ser cristão evangélico mas o estar aqui numa Igreja depois de um tempo desligado das minhas tarefas momentos que eu não acreditava mais que pudesse voltar. Assim dizendo eu pensava. Mas os meus pensamentos não são os pensamentos de Deus que pensa mais alto que os meus pensamentos e anda por caminhos mais altos que os meus caminhos. Ele é o Senhor. Louvar ao Senhor está ligado a um tipo de amor que se tem por Deus. Se eu gosto de Deus eu vou fazer o que o agrada e um meio de agradecer por todo bem que o Senhor me tem feito e nem acredito que estou conseguindo fazer o que para mim era impossível. O que acho estranho é que há pessoas que não gostam de Deus ou não gostam do Deus que nós evangélicos acreditamos. E o Deus que acreditamos é o Senhor Jesus Cristo. No primeiro capítulo de Atos dos Apóstolos, Lucas conta a história verdadeira da ascensão de Jesus Cristo em que aproximadamente quinhentas pessoas foram testemunhas desse acontecimento quando o Filho de Deus subiu ao céu para ser glorificado, coroado, e receber o seu Reino com todo poder e autoridade sobre tudo. Enquanto observavam a subida de Jesus, diz a Bíblia que uma nuvem apareceu e o ocultou dos seus olhos. Eu acredito que seus discípulos e amigos ao ver seu Mestre subir e ao não poder vê-lo mais começaram a chorar muito. Mas imediatamente veio a providência de Deus em que dois homens com vestes brancas se apresentam a eles e falam assim: Varões galileus por que vocês estão olhando para cima? Este Jesus que vocês viram ser agora recebido no céu vai descer da mesma maneira que o vistes ir. Em que lugar eles estavam? No Monte das Oliveiras, lugar bem ao lado de Jerusalém e a Bíblia diz que o Senhor descerá do céu e vai por os seus pés de um lado para o oriente e do outro lado para o ocidente e o monte vai se fender ao meio e se dividir em duas partes. A volta do Senhor Jesus Cristo não é nem algo ligado a fé porque é uma realidade. É tão realidade que chega até a ser mais que fé que também é uma realidade e a volta do Senhor Jesus é uma realidade maior que a fé. Todas as palavras que sabemos que disse o Senhor Jesus no tempo da sua vinda estamos vendo se cumprir diante dos nossos olhos. É um tempo que por não sabermos o dia e a hora de vivermos em vigilância constante sem distração alguma. Nós cristãos sabemos que Jesus Cristo pode voltar a qualquer momento e eu vou contar uma experiência pessoal. Eu tenho visto sinais claros da volta de Jesus através do que acontece no tempo e sinais ligados a coincidências que para mim não tem explicação. De um momento para o outro começaram a aparecer sinais claros que entendi ser um sinal claro da volta de Jesus. E pode ser que a preocupação de Deus ao me mostrar tantos sinais seja em parte por causa da minha incredulidade que estou vencendo e estou vendo que cada dia mais com tanto de Deus acontecendo esse mal será vencido quando na verdade já está vencido. Só tenta um meio de nos tirar da atenção de Deus mas comigo não está conseguindo. Eu estou enfrentando a ira e a fúria de um grande inimigo mas ele não tem conseguido mais esconder seu rosto de mim e vendo isso eu tenho mais coragem de ir a Igreja e fazer a vontade de Deus. Eu li a Bíblia quando criança e entendi. Eu li a Bíblia depois de adulto e entendi. E agora sem ler a Bíblia eu consigo entender a Palavra de Deus muito mais do que quando criança. Parece que toda a Escritura da Bíblia está gravada na minha memória e se ouço algo que nem é bíblico a minha memória caça como um rastreamento aonde está escrito na Bíblia o que fazer ou a resposta para as questões. Eu vou ir na Igreja que fica bem ali cantar um louvor ao meu Deus pode ser que para isso eu tenha sido criado. Para cantar louvores ao meu Deus. Nem sempre eu acerto as notas e nem todo hino se encaixa na minha voz. Eu tenho procurado alcançar notas mais altas e tenho conseguido. Acredito que a pessoa que canta não gosta de ouvir a própria voz mas eu tenho ouvido os últimos vídeos que tenho gravado cantando e tenho gostado. Enquanto eu penso que ninguém gosta de me ouvir para outras pessoas pode parecer muito bom. A minha intenção é a de louvar ao Senhor e só ao Senhor. Eu não queria nunca falar isso. Mas faz um tempo passei a notar algo no canto dos galos. De uma maneira sem falar parece que os galos ao cantarem cantam a palavra Aleluia. Nem todos vão ouvir porque nem todos tem um ouvido preparado para isso. Mas observa bem os galos ao cantarem cantam: Aleluiiiiaaaa. Tudo o que você puder fazer para louvar ao Senhor, faça! O rei Davi acredita-se ter sido vencedor porque cantava louvores ao Senhor e era um bom escritor de orações cantadas chamadas na Bíblia Sagrada de Salmos. Louve ao Senhor com toda sua força e de todo coração. A Bíblia diz que tudo o que tem fôlego louve ao Senhor. Louvar ao Senhor traz alegria para alma que também só canta de alegria. Que Deus seja louvado para sempre em todo lugar. O Senhor habita entre os louvores por isso Deus está aqui. Se você quer algo na vida tem que lutar muito que num momento vai vencer orando em nome de Jesus. Se Deus está te vendo é só esperar o momento em que ele quiser mostrar seu grande milagre. Para terminar vou escrever uma palavra que representa a vontade de todo crente. Maranata! Essa palavra Maranata traduzida significa Ora Vem. E num sentido mais correto nós cristãos usamos esse nome para falar "Ora vem, Senhor Jesus". Canta aleluia. Amém. Louvai ao Senhor! O mesmo vídeo está no YouTube se quiser ver clica no link. https://youtu.be/S4OJnw3GUCM
submitted by aleluia1983 to u/aleluia1983 [link] [comments]


3 Sinais Que Revelam Se Alguém Realmente Gosta de Você 4 Sinais Que Ele Quer Algo Sério Com Você (2019) Faça isso quando quiser conquistar um amigo Sinais que um Homem,garoto ou amigo está apaixonado (Como saber se ele Gosta de Você) 7 SINAIS QUE O HOMEM É UM PROBLEMA 6 sinais que ele está atraído por você e Como saber se ele ... Como Saber Se o Amigo Tá Afim Ou Só Quer Amizade – Tio Explica Como Conquistar Um Amigo Estou Afim Do Meu Melhor Amigo 5 SINAIS QUE ELE GOSTA DE VOCÊ SINAIS QUE ELE GOSTA DE VOCÊ (Como saber se ele está apaixonado?)

10 Sinais Inegáveis Que Ele Está Apaixonado Por Você

  1. 3 Sinais Que Revelam Se Alguém Realmente Gosta de Você
  2. 4 Sinais Que Ele Quer Algo Sério Com Você (2019)
  3. Faça isso quando quiser conquistar um amigo
  4. Sinais que um Homem,garoto ou amigo está apaixonado (Como saber se ele Gosta de Você)
  5. 7 SINAIS QUE O HOMEM É UM PROBLEMA
  6. 6 sinais que ele está atraído por você e Como saber se ele ...
  7. Como Saber Se o Amigo Tá Afim Ou Só Quer Amizade – Tio Explica
  8. Como Conquistar Um Amigo Estou Afim Do Meu Melhor Amigo
  9. 5 SINAIS QUE ELE GOSTA DE VOCÊ
  10. SINAIS QUE ELE GOSTA DE VOCÊ (Como saber se ele está apaixonado?)

5 SINAIS QUE ELE GOSTA DE VOCÊ ... FRASES QUE ELE SÓ DIZ QUANDO ESTÁ APAIXONADO! ~ SETE - Duration: ... 4 TÉCNICAS que faz UM HOMEM ter vontade de conversar contigo TODO DIA - Duration: ... Sinais que um Homem,garoto ou amigo está apaixonado (Como saber se ele Gosta de Você) ... tenha toda a atenção voltada para ele. Normalmente, um homem que deseja impressionar a pessoa com quem ... 7 SINAIS QUE O HOMEM É UM PROBLEMA O número um é se ele estiver usando a palavra “separado”, isso significa que ele ainda é casado. Não permita que você se envolva emocionalmente com o ... Na hora de conquistar um amigo, você não deve se declarar a ele, e sim, demostrar gradativamente pré-seleção e valor. Normalmente, o amigo tem uma falsa percepção de valor!!! Ele só te vê ... Homens são confusos perceber seu sentimentos pode ser um desafio. Como saber se ele gosta e mim? Quais os sinais que ele se importa? Como entender que ele es... Se ele só te enrola, acredite, dificilmente você verá um desses sinais. ... 10 sinais que ele é um cafajeste - Duration: ... 5:56. O Que Faz Um Homem Te Amar Como Louco (dicas quentes ... Algo que o faz bater desenfreado, e desejo que ele passe de amigo a namorado causa uma ansiedade inexplicável e por fim, te faz entender que aquele incomodo por vê-lo com outras mulheres, na ... E se aquela mina ou mino ou minx que você gosta só quer ser seu amigo ou amiga ou amigx? Mas e se, na verdade, o amigo quer ser mais do que um amigo ou amiga ou amigx? Como descobrir isso? O Tio ... Todas as vezes que você não tiver segurança sobre um relacionamento ou até mesmo uma pessoa que você acabou de conhecer basta observar esses sinais e saberá rapidamente se você está agindo ... como saber se ele esta afim de voce? Hoje quero mostrar os sinais que ele está afim de você e como saber que ele gosta de voce... TODOS OS SINAIS de um HOMEM...