Quebrar acima da menina

Pino Acima Da Menina. 54 61 3. Bolsas Moda Editorial. 16 32 1. Revistas Jornal Rack. 20 16 11. Imprensa Jornalista. 47 94 4. Menina Mulher. 14 23 0. Livro Livros Revistas. 54 94 1. Menina Jaqueta De Couro. 22 21 7. Imprensa Jornalista. 38 38 2. Café Bebidas Revista. 35 103 1. Café Quebrar Descanso. 40 62 0. Meninas Modelo Retrato. 20 16 0 ... Para fazer essa macumba você deverá escrever o nome da pessoa que deseja no papel em branco usando a caneta vermelha, depois você deve colocar isso em cima do copo de água e polvilhar açúcar em cima do papel. Deixe isso em algum lugar acima de sua cabeça, não tire de lá até que a pessoa venha te procurar desesperada. Menos corriqueiro, entretanto, é você ver um outro adulto quebrar esse paradigma assim, na lata. Agora imaginem o meu orgulho, já que o pai 2, no caso, é meu marido e pai da nossa menina! Sim, tenho orgulho, porque sei que ele cresceu, assim como eu, com essa velha ideia de que existem coisas de menino e coisas de menina. Pino Acima Da Menina. 47 85 5. Vintage Capa De Revista. 32 98 1. Café Quebrar Descanso. 47 79 5. Pessoas Mulher Relaxar. 35 85 8. Pilha Jornal Revista. 36 83 4. Caf ... Emagrecer não é fácil, principalmente para quem está muito acima do peso. Haja força de vontade para fechar a boca! A americana Cacia Griggs, de 26 anos, precisou quebrar a cama da filha com ... A frase acima é do delegado Diogo Rincón, responsável por investigar um caso nada usual na cidade de Hidrolândia, em Goiás. De acordo com investigações da Polícia Civil, uma menina de 9 anos era estuprada pela própria mãe. A mulher, de 33 anos, está grávida e encontra-se foragida. Como quebrar uma versão dedo com porta . Segurar sua mão direita sobre o batente da porta (ou esquerda, se você é canhoto), e em seguida, colocar o dedo sobre a parte selecionada do urgente. Depois de tanto bater a porta. Se você mesmo não pode fazer isso, então é aconselhável perguntar ao seu 'amigo'. Claro que o trecho acima nada mais foi que um diálogo interno da autora, pois Catarina tinha apenas um ano e oito meses de vida. Nestes quase dois anos de existência, Catarina se chocou com uma menina quebrada, dando voz às reflexões de sua madrinha, Eliane, e palavras para a coluna publicada em 28 de janeiro de 2013. 2. De acordo com o texto e com os conhecimentos adquiridos na disciplina, analise as proposições a seguir: I. O ponto de vista retratado no trecho acima refere-se à visão médica da surdez. II. Os termos \u201cdeficiente auditivo\u201d e \u201csurdo\u201d não são equivalentes, pois transmitem diferentes visões acerca da pessoa com surdez. C Em F7+ Em7 Menina, que um dia conheci criança F7+ G Em Am7 Me aparece assim, de repente G C G7 Linda, virou mulher C Em F7+ Em7 Menina, como pude te amar agora F7+ Em7 Am7 G C Te carreguei no colo menina, cantei pra ti dormir (bis) Eb Lembra a menina feia, tão acanhada de pé no chão Dm7 G Hoje maliciosa, guarda segredo em seu coração C Em F7+ Em7 Menina, que muitas vezes fiz chorar F7 ...

Sou babaca por mandar a minha melhor amiga tomar onde o sol não bate?

2020.06.08 00:03 Jiyoun_Quer_Um_Dog Sou babaca por mandar a minha melhor amiga tomar onde o sol não bate?

Oi Luba, gatos, papelões, convidado, turma que está a assistir-te, editores e eu não sei mais quem cUmprimentar (se eu tiver esquecendo de alguém, desculpa)

Ok, essa vai ser uma história meio complicada de contar, até pq ela assiste os seus vídeos.
(Se vc estiver assistindo esse vídeo, desculpa ta)
Sou carioca, então se quiser tentar um sotaque inovador ou só imitar o Jean, tá valendo

Sou babaca por mandar a minha melhor amiga tomar onde o sol não bate?

Antes de qualquer coisa, gostaria de dizer que essa é uma história que pode ter diversos lados, e eu realmente não gosto que apenas escutem um lado da história, mas como eu acho que eu fui a única nesse rolo todo que ficou com "sequelas", tomei iniciativa de mandar aqui.

CONTEXTO: Essa menina, Darls, era minha amiga desde uns 7 ou 8 anos (quando tudo aconteceu, tínhamos 15). Do nada, ela saiu da escola e simplesmente sumiu do mapa. Não mantemos contatos e eu mal lembrava do nome dela. E de repente, no último ano do fundamental ela volta.
Por ela ser uma amiga de muito tempo, sempre prezei muito pela nossa amizade e fazia de tudo para ver ela feliz, e ela também fazia o mesmo por mim. Até que um dia ela resolveu que estava apaixonada por mim. Tentei, da maneira mais delicada possível, dizer que ela sempre seria a minha amiga, mas que não poderia ser mais do que isso (eu REALMENTE não sei o que falar numa situação dessas, então falei o que achei que seria melhor)
As coisas ficaram estranhas por um tempo e, posso estar me iludindo, mas acho que o "desgosto" por mim começou aí. Mas como ainda éramos muito amigas, nunca me importei.

Mais perto de Agosto/Setembro, fomos ensaiar para dançar no anivérsario de 15 anos dela.
A nossa situação já tava cagada. Mas foi a partir desse momento que a merda fedeu.

Com a convivência além da escola, ela começou a se estressar muito comigo, e por coisas bestas e insignificantes. Essa implicância se extendeu na escola e no nosso grupo do Whatsapp. Como eu errava bastante (como amiga), eu sempre acabava pedindo desculpas. Sempre prometia que ia mudar (por algumas dificuldades psicológicas minhas, acabei me acostumando que o certo era assumir a culpa sempre). Então eu nunca deixava a responsabilidade da briga com ela. Eu sempre era muito aberta com as outras meninas do grupo, mas com ela eu sempre tomava um cuidado a mais com o que eu ia dizia ou o que fazia, e quando ela se estressava, eu pedia desculpas (uma das nossas amigas, XUXA, definiu isso como uma espécie de relacionamento abusivo). Uma das vezes em que eu me desculpei com todas (por carta, pq eu acho fofo), ela respondeu que iria tentar me perdoar e que as vezes tinha vontade de quebrar alguma coisa na minha cabeça de tanta raiva que ela sentia de mim. Isso me assustou e eu sinto que depois dessa carta, nada mais foi como antes.

TÓPICO IMPORTANTE: Antes desse acontecimento, tivemos uma briga feia, em que a XUXA (uma das minhas melhores amigas) me disse que estava cansada do comportamento dela de nunca saber escutar e disse que queria cortar contato. Mas, depois de insistência minha, ela resolveu explicar pra Darls o POR QUE de estar se afastando (pq, afinal, eu acho justo a Darls saber o motivo. Se ela vai perder uma amiga, ela deveria pelo menos saber o que fez de errado e melhorar). Darls mandou um textão. Resumo: "Não posso te perder. Vou mudar. Pfv me dá outra chance". E a XUXA deu outra chance.

FIM DO CONTEXTO

Tivemos uma discussão e o assunto eram algumas pessoas famosas e seu caráter. A Darls defendia uma mulher com garras e dentes enquanto eu dizia, delicadamente, que talvez essa pessoa não seja do jeito que ela tá falando. Minha fala exata foi:
"Darls, você poderia, por favor, abrir a sua mente 0,0000001% pra tentar ententer que talvez, SÓ TALVEZ, essa pessoa não seja quem você está pensando que ela é?"

Ela ficou puta e disse que não podia mais se dar opinião naquele grupo e que nós não sabíamos escutar.
E isso me tirou completamente do sério.
Mais lá em cima eu disse que passei por alguns problemas na cabecinha, e uma das consequências foi: eu dou importância a TODOS, escuto a TODOS, me preocupo com TODOS. Isso me colocou em situações complicadas e, em um momento de orgulho ferido, me senti no direito de responder:
"Me faz um favor e, só uma vez, VAI TOMAR NO C*
Eu não disse que a sua opinião não vale. Não disse que estava certa, assim como não disse que estava errada.
Mas agora você poderia entender que a sua opinião não é nada além de uma OPINIÃO. VOCÊ NÃO É A PORTADORA DA VERDADE ABSOLUTA E QUANTO MAIS CEDO ENTENDER QUE VOCÊ PODE ERRAR, MELHOR VAI SER PRA VOCÊ" (não lembro de tudo mas foi quase isso)

Isso deixou o grupo meio em choque. Ficamos em silêncio por uns dias.

Até que eu tirei coragem do cu e mandei mensagem pra ela me desculpando pelo que eu disse e por ter me descontrolado e que estava disposta a deixar esse desentendimento para trás.
E ela me mandou um texto dizendo que, basicamente, se eu tivesse mandado mensagem no mesmo dia que a treta toda aconteceu, talvez ela pensasse diferente, mas como eu demorei uns 5 dias, ela disse que isso foi falta de empatia da minha parte e que, agora, ela está pouco se fudendo pra mim e pra nossa amizade.

Isso me deixou mal em muitos níveis diferentes. Pensei muito sobre o que passamos juntas e o que eu estaria perdendo. Minhas amigas (XUXA e outras) falaram pra mim que eu não tinha culpa de nada (ainda brigaram comigo por eu ter ido pedir desculpas) e, depois de dois dias, o grupo se desfez. Me senti mal e de repente, tudo pesou nos meus ombros.

Sei que a minha versão me vitimiza muito, mas não poderia ser diferente, não é?!

Ao final, fiquei me sentindo culpada por me exaltar, culpada por nunca ter falado pra ela como eu me incomodava com as atitudes dela e, acima de tudo, com muito medo de ela pensar mal de mim até hoje e espalhar para as pessoas que a culpa disso é minha (e acho que só vai piorar se ela ver esse vídeo)

Sou a babaca por ter agido sem paciência e por não ter ido conversar com ela no mesmo dia que tudo isso aconteceu?
submitted by Jiyoun_Quer_Um_Dog to TurmaFeira [link] [comments]


2019.07.21 04:54 LamedVavnik Reportagem da Veja de outubro de 1968 contando um confronto entre a USP e a universidade do Mackenzie com uma fatalidade. A edição da revista é usada como código no filme Batismo de Sangue.

Olá Brasil! Achei essa reportagem à alguns anos atrás enquanto fazia um resumo do filme Batismo de Sangue para um trabalho de ensino médio. É um excelente filme que conta a história do Frei Tito, preso e torturado durante a ditadura sob acusações de ter contato com Carlos Marighella. Durante uma das cenas a edição de outubro de 1968 da revista Veja é usada como símbolo dos militantes. Fiquei curioso na época e conseguir achar uma versão online do texto, que dá uma pequena visão do panorama politico da época.
Destruição e morte por quê?
O ovo veio antes. Estourou na cabeça de um estudante. Depois vieram outras explosões, de coquetéis Molotov, bombas, rojões, mais tiros de revólver, para transformar um pedaço da Rua Maria Antônia, no centro de São Paulo, num campo de batalha. Poderia ter sido mais uma briga, marcando a rivalidade entre os alunos da Universidade Mackenzie e a Faculdade de Filosofia da Universidade de São Paulo, uma em frente a outra se encarando com maus olhos há muito tempo. Mas a incrível batalha foi longe demais: há um morto, um moço de vinte anos, muitos feridos, os prédios de duas escolas danificados, vários carros virados e incendiados. No mesmo momento em que os universitários brasileiros reclamam um nível melhor de ensino e pretendem uma participação mais ativa na vida política do País, 3.000 estudantes do Mackenzie e 2.500 estudantes da Faculdade de Filosofia da USP deflagram a sua guerra por causa de um ovo. Para um estudante do Mackenzie, "essa briga prova que não há lugar para duas escolas na Rua Maria Antônia". é muito pouco para tanta violência. Uma coisa é certa: aos dois lados faltou a visão das conseqÜências políticas e dos danos materiais que a briga provocaria - e faltaram líderes para deter a briga, antes que chegasse onde chegou. Ao lado do caixão de José Guimarães, o jovem secundarista que tombou na batalha sem glória, Dona Madalena, a mãe desolada, chora, enquanto o irmão mais velho, Ladislau, repete para cinegrafistas e fotógrafos: "Filmem e fotografem à vontade. Talvez tudo isso sirva para alguma coisa, um dia".
Paus e pedras, bombas Molotov, rojões, vidros cheios de ácido sulfúrico que ao estourar queimavam a pele e a carne, tiros de revólver e muitos palavrões voaram durante quatro horas pelos poucos metros que separam as calçadas da Universidade Mackenzie e da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras da Universidade de São Paulo. Exatamente às 10 e meia da manhã do dia 2, quarta-feira, começou a briga entre as duas escolas. Porque alguns alunos do Mackenzie atiraram ovos em estudantes que cobravam pedágio na Rua Maria Antônia a fim de recolher dinheiro para o Congresso da ex-UNE e outros movimentos antigovernistas da ?ação? estudantil, a rua em que vivem as duas escolas rapidamente se esvaziou. Formaram-se grupos dos dois lados, dentro do Mackenzie, onde estudam membros do Comando de Caça aos Comunistas (CCC), Frente Anticomunista (FAC) e Movimento Anticomunista (MAC); dentro da Faculdade de Filosofia da USP, onde fica a sede da ex-União Estadual dos Estudantes. As duas frentes agrediram-se entre discursos inflamados e pausas esparsas. Ao meio-dia a intensidade da batalha aumentou, porque chegaram os alunos dos cursos da tarde. O Mackenzie mantinha uma vantagem tática - os seus prédios ficam em terreno mais elevado e são cercados por um muro alto. A Faculdade da USP está junto à calçada, num prédio cinzento e velho, com a entrada principal ladeada por colunas de estilo grego e duas portas laterais. A fachada não tem mais que 20 metros. Seu único trunfo: uma saída na Rua Dr. Vila Nova, perpendicular à Maria Antônia, bem defronte à Faculdade de Economia, também da USP. Nessa quarta-feira, uma enfermaria improvisada no banheiro da USP atendeu a seis feridos. Dois alunos do Mackenzie também se machucaram. Na rua, os estudantes da USP apupavam os do Mackenzie: "Nazistas, gorilas!" E os mackenzistas revidavam: "Guerrilheiros fajutos!" às 2 da tarde a reitora do Mackenzie, Esther Figueiredo Ferraz, pediu uma tropa de choque - 30 guardas-civis - para "proteger o patrimônio da escola". Quando a polícia chegou, os estudantes se dispersaram. Houve uma trégua.
TODOS NA DEFESA - Durante a noite as duas escolas discutiram a briga em assembléias. E tanto um grupo como o outro chegou à mesma posição: organizar a defesa para o dia seguinte e só atacar se atacado. A assembléia da USP declarou que não queria lutar contra o Mackenzie, mas contra o CCC. No dia 3, quase às 9 horas da manhã, um grupo de rapazes saiu pelo portão de ferro do Mackenzie, correu até a entrada da Faculdade de Filosofia e arrancou uma faixa suspensa entre as duas colunas. Dizia a faixa: CCC, FAC e MAC = Repressão. E mais abaixo: Filosofia e Mackenzie contra a Ditadura. Os dizeres insinuavam união das duas escolas contra a "ditadura" e as organizações de extrema direita. Ao arrancá-la, os mackenzistas repudiavam a pretendida unidade. E para que isto ficasse bem claro, às 9 e meia tomaram mais duas faixas dos alunos da USP. Foi o fim da trégua. Novamente a pequena rua estremeceu com a explosão de rojões, bombas, tiros, vidraças quebradas por tijolos e barras de ferro. Labaredas de fogo subiam pelas paredes lambendo o rebôco e deixando um rastro negro de fuligem. Guardas civis protegiam o Mackenzie - ainda a pedido da reitora - armados de metralhadoras, fuzis e cassetetes tamanho-família. Luís Travassos e Édson Soares, respectivamente presidente e vice-presidente da ex-UNE, somados a José Dirceu, presidente da ex-UEE, comandavam a resistência da Filosofia.
TODOS NO ATAQUE - Por volta de meio-dia, centenas de curiosos e colegiais que vinham das aulas da manhã aglomeravam-se nos dois extremos da Rua Maria Antônia. Aproveitando a presença dessa platéia, os universitários da USP, com saquinhos de papel na mão, pediam dinheiro "para comprar material de guerra". Grupo de alunas de um colégio próximo subiu num monte de material de construção. Entre elas estava uma menina de quinze anos, com uniforme da quarta série ginasial do colégio "Des Oiseaux" e óculos escuros. Ficou ali quase uma hora, até o instante em que três policiais avançaram sobre um grupo de estudantes que havia lançado pedras contra eles. Um dos policiais puxou o revólver e atirou para o ar. Um aluno da USP jogou-se contra ele, de mãos abertas, forçou o braço do soldado para trás e tentou tomar-lhe o revólver. Dois outros soldados começaram a dar tiros no chão. Um estudante foi ferido na perna: Jorge Antônio Rodrigues, do terceiro ano de Economia. Foi o primeiro choque entre polícia e estudantes na quinta-feira. Um capacete de aço que tombou na luta foi levado como troféu para o interior da Faculdade. Nessa hora, a platéia debandou. A menina de óculos escuros quase levou um tombo. Era a filha do Governador de São Paulo, Roberto de Abreu Sodré. Logo depois, uma sirena gritou na rua. Os estudantes pensavam que a polícia estivesse investindo, mas era uma ambulância que ia buscar o rapaz atingido no rosto por um rojão, aluno do Mackenzie. Nessa escola, alguém ensinava como preparar bombas Molotov (segundo alguns alunos, foram atiradas mais de mil contra os estudantes e o prédio da USP). Nos rojões de vara eram adaptados vidros com gás lacrimogéneo, que iam rebentar no interior das salas da USP. Ácidos de cheiro muito forte e enjoativo eram lançados da mesma maneira. Foram instalados fios elétricos nos portões de ferro e grades do Mackenzie. Quem tocasse ali seria eletrocutado. As vidraças quebradas da USP eram substituídas por tapumes de madeira. Mas a tropa de choque da Faculdade de Filosofia havia acumulado às 14 horas um monte alto de pedras e duzentos rojões. Uma garrafa Molotov estourou sobre os fios de alta tensão que cruzavam a linha de fogo, queimou um deles, e de repente espocaram estalos e faíscas esverdeadas pela rua. Mais correria, mais gritos, mais palavrões. Do Mackenzie saíram bombas de gás lacrimogéneo que detonaram na rua e na entrada da Faculdade de Filosofia. Um edifício em construção, ao lado do Mackenzie, foi ocupado pelos mackenzistas.
DESORDEM, FERIDOS - Boatos e notícias contraditórias circulavam. A polícia invadirá as duas escolas, diziam uns. Outros negavam, mostravam-se mais sabidos: virá o Exército. "Por que seria a polícia? Se ela quisesse, já teria tomado alguma providência. Não iria ficar parada, assistindo de camarote a essa insensatez dos estudantes", dizia um velho, numa esquina. Para o General Sílvio Corrêa de Andrade, chefe do Departamento de Polícia Federal em São Paulo, todas as providências cabiam à polícia do Estado. "O que ocorre na Rua Maria Antônia é desordem, briga, e não manifestação política", dizia ele. Muitos alunos do Mackenzie feriram-se por acaso. Quando corriam por cima dos prédios para escapar das pedradas, sentiam as telhas cederem sob seus pés. Caíam então de uma altura de quase dois metros, desabando no assoalho do último andar. Um quebrou a clavícula, outro o nariz e um terceiro cobriu-se de escoriações. Por volta das 13h30 chegou um carro-tanque com seis bombeiros a pedido dos alunos da USP. Estacionaram na Rua Dr. Vila Nova e começaram o combate aos focos de incêndio que se multiplicavam pelo prédio da Faculdade de Filosofia. José Dirceu soltava frases de efeito: "As violências da direita estão sendo respondidas pela violência organizada do povo e dos estudantes", ou "Vamos esmagar a reação."
DE REPENTE, A MORTE - Perto do edifício em construção, tomado por alunos do Mackenzie, um grupo de secundaristas recolhia pedras para a USP. Na Rua Dr. Vila Nova ecoaram gritos e para lá correram muitos estudantes. Que era? Um aluno da Faculdade de Direito do Mackenzie, João Parisi Filho, halterofilista e desenhista, que teve trabalhos expostos na última Bienal de São Paulo. "Ele é do CCC", comentava-se. Cerca de oitenta estudantes da USP rodearam Parisi berrando: "Lincha! Mata o canalha!" O rapaz tinha um revólver. Tornaram-no. Depois, aos tapas, conduziram Parisi ao prédio da Faculdade de Economia da USP. (Quando à noite esse prédio foi tomado pela Força Pública, o presumível agente do CCC foi detido com os demais estudantes e encaminhado ao DOPS.) O trabalho dos bombeiros não parava. Rojões estouravam intermitentemente na Rua Maria Antônia. Súbito, defronte à Faculdade de Filosofia, um estudante com os braços abertos e quase se ajoelhando na calçada berrou: "Ambulância, ambulância, por favor". E atrás deste vieram mais rapazes carregando um jovem de cabelos pretos que tinha a camisa de linho branco tinta de sangue. Era José Guimarães, aluno do Colégio Marina Cintra, terceira série ginasial, vinte anos. Pintava nas horas vagas. Tinha mãe viúva. Ao passar pela Rua Maria Antônia resolveu ajudar os universitários. Recolhia pedras para a USP. Uma perua dos "Diários Associados" levou-o para o Hospital das Clínicas. Mas José Guimarães morreu no caminho. Na Maria Antônia ele deixou revolta e manchas de sangue. Laudo da autópsia: "A bala é de calibre superior a 38 ou de fuzil. Havia seis ou sete pedaços de chumbo no cérebro. O tiro entrou 1 centímetro acima da orelha direita e saiu à altura da linha mediana da cabeça, atrás, ligeiramente à esquerda. A bala fez um percurso de cima para baixo, em sentido oblíquo". Quem atirou? Ninguém sabe.
A BRIGA PROSSEGUE - Ao saber da morte do estudante secundário, José Dirceu subiu num monte de tijolos, cadeiras, corrimãos de escada e paralelepípedos, que servia de barricada, fez um comécio-relâmpago. "Não é mais possível mantermos militarmente a Faculdade. Não nos interessa continuar aqui lutando contra o CCC, a FAC e o MAC, esses ninhos de gorilas. Um colega nosso foi morto. Vamos às ruas denunciar o massacre. A polícia e o exército de Sodré que fiquem defendendo a fina flor dos fascistas. Viva a UNE, abaixo a reação!" Então concebeu uma nova imagem e desfechou: "Jorge, o rapaz morto, é um segundo Édson Luís (o secundarista que morreu no restaurante do Calabouço, na Guanabara). Vamos às ruas!" Com essa oratória Josá Dirceu conseguiu pôr a maioria dos assistentes em posição de passeata. "Não é Jorge, é Dionísio" cochichou uma estudante à colega. Ninguém sabia direito o nome da vítima. às 3 e meia uma janela se abriu no prédio da USP, e através dela um aluno gritou: "Estão contentes? Vocês já mataram um". Só assim os mackenzistas souberam da morte de um adversário. Também não entenderam a morte. Uns diziam que tinha sido uma bomba Molotov, outros, que foram tiros da polícia. Quem havia morrido não interessava. Toda a atenção deveria voltar-se para a pontaria das pedradas, que continuaram, mesmo depois de oitocentos estudantes da USP saírem em passeata.
QUEIMAR, QUEBRAR - Os estudantes ganharam a cidade em dez minutos. Arrancaram um pano vermelho da traseira de um carro-guincho e com ele fizeram uma bandeira. Em seguida, cercaram um Aero-Willys com chapa branca da Prefeitura Municipal de Santo André (cidade dos arredores de São Pauto), obrigaram o chofer, preto e gordo, a correr, quebraram todos os vidros do automóvel e amassaram a carroceria. Vinte metros adiante, rodearam um Volkswagen da polícia. Com pedaços de ferro nas mãos, dirigiram-se ao motorista: "Com licença, nós vamos pôr fogo no seu carro". O policial abandonou o automóvel e ficou a distância entre os espectadores. Os estudantes tombaram o carro e atearam fogo.
Depois incendiaram um Aero-Willys da Força Pública de São Paulo. Iluminados pelas chamas que subiam a 20 metros de altura, José Dirceu e Édson Soares fizeram discursos "denunciando o assassinato de um colega e oferecendo solidariedade aos bancários que, em greve, resistem à opressão". Aproveitando o congestionamento do trânsito, as moças da passeata dirigiam-se aos automóveis parados, pedindo dinheiro para "a resistência" e anunciando a morte do companheiro. Minutos depois queimavam mais um Volkswagen da polícia. As chamas ameaçavam um ônibus; os passageiros o abandonaram apavorados, enquanto uma perua Rural-Willys da chefia policial era depredada. Do alto de alguns prédios caíam papéis picados. Na Praça da Sá, ponto central de São Paulo, um Aero-Willys da Polícia Federal foi depredado; os transeuntes gritavam, corriam. Uma senhora desmaiou e foi carregada até a Catedral. A passeata dirigiu-se para o Largo de São Francisco, onde fica a Faculdade de Direito, contra a qual foram lançados paus e pedras. José Dirceu fez novo discurso. De lá os estudantes correram para a próxima Praça das Bandeiras, onde surgiu um caminhão com doze homens da Força Pública. Os estudantes fugiram aos gritos. Seis jornalistas foram presos.
É UMA ESTUPIDEZ - Na Rua Maria Antônia a batalha arrefecia. No prédio da USP sobravam poucos estudantes. Algumas partes do teto ruíam. Às 18h30, Luís Travassos, o presidente da ex-UNE, entrou na Faculdade de Economia dizendo: "É preciso desmobilizar isso. Daqui a pouco não temos mais munição, o prédio pode ser invadido, vai ser um massacre." Os mais atirados queriam ir buscar o corpo de José Guimarães. "E que vamos fazer com o corpo aqui dentro?", perguntou Travassos dando de ombros. Às 20h30, José Dirceu apareceu com uma camisa suja de sangue. Subiu numa janela e, cercado por fotógrafos e cinegrafistas, teve um gesto dramático: "Colegas, esta camisa é do nosso companheiro morto pelas forças da repressão. Vamos todos para a Cidade Universitária. Haverá assembléia." Duzentos e quarenta soldados da Força Pública, cem cavalarianos, dois tanques e cinqüenta cães amestrados começaram a chegar na Rua Maria Antônia e vizinhança. O Mackenzie foi ocupado sem problemas, mas alguns estudantes ainda atiravam bombas Molotov contra o velho prédio da USP e pedras caíam sobre os jornalistas que tentavam se aproximar.
Um repórter da "Tribuna da Imprensa" do Rio de Janeiro foi ferido na cabeça. A Faculdade de Filosofia também foi ocupada. Nela estavam apenas alguns professores e alunos, fechados numa sala para redigir um manifesto sobre os acontecimentos. Os mackenzistas cantavam o Hino Nacional e davam vivas. A reitora Esther Figueiredo Ferraz apertou a mão de alguns funcionários e estudantes. E os estudantes gritaram: Vamos tomar uns chopes para comemorar a vitória". E foram beber.
QUEM VENCEU? - Enquanto o corpo de José Guimarães era velado pela mãe, a irmã e o irmão, sob forte proteção policial, enquanto os alunos da USP discutiam o que fazer no dia seguinte e os mackenzistas bebiam, o diretor em exercício da Faculdade de Filosofia, Professor Eurípedes Simões de Paula, observava que "o prédio da Maria Antônia não tem condições de funcionar até o fim do ano". As aulas serão transferidas para a Cidade Universitária. "Já deveriam ter saído antes", observou Erwin Rosenthal, o diretor que vai à Europa. Com isso, o Mackenzie ganhava o domínio da Rua Maria Antônia. A briga entre as duas escolas é muito antiga e cheia de crises. A principal foi em 1964, quando o CCC sentiu-se fortalecido com a mudança de regime e invadiu a Faculdade de Filosofia quebrando vidraças, móveis e espancando estudantes. Em 1966, quando Luís Travassos foi eleito presidente da ex-UEE, repetiu-se a invasão e foi destruída a urna de votação. Em 1967, quando José Dirceu substituiu Travassos, houve outras brigas. Mas há alunos do Mackenzie contrários a seus colegas da chamada "tropa de choque". E na passeata de uma hora feita na tarde de sexta-feira por cerca de 4 mil pessoas em sinal de protesto pela morte de José Guimarães (um protesto contra quem?), apareceu urna faixa: "O Mackenzie se Une às Outras Escolas e Repudia a Colaboração dos Professores na Fabricação de Armas Assassinas". Nessa passeata, que acabou sendo dissolvida a bombas de efeito moral e gás lacrimogéneo, José Dirceu declarou que "a UNE e a UEE derrotaram o CCC, o FAC e o MAC em quatro assembléias lá dentro do Mackenzie". A União das Mães de São Paulo, que apoiou a passeata, pediu aos estudantes que se manifestassem pacificamente. "Violência gera violência", disse a oradora da União. Os estudantes não gostaram da advertência. Um coro interrompeu o discurso: "Povo armado derruba a ditadura", gritaram. A senhora não perdeu a coragem. Uma mocinha deu-lhe apoio: "Muito bem". Mas o estímulo caiu no silêncio. A União das Mães tomou uma decisão na hora: "Retiramos nosso apoio se vocês não fizerem essa passeata pacificamente". Mas não houve paz. Alguns estudantes quebraram vidraças do First National City Bank, outros viraram e queimaram um carro. Às 20 horas - duas horas após o desbaratamento da manifestação -, uma perua da Força Pública foi atacada num ponto distante do roteiro da passeata. Luís Travassos e José Dirceu estavam cansados e unidos. A camisa manchada com o sangue de José Guimarães foi carregada como um estandarte. Ninguém - exceto parentes e policiais - pôde ir ao enterro do moço assassinado numa batalha absurda. O sepultamento marcado para as 16 horas de sexta-feira foi às 13 horas, no Cemitério do ?Araçá?. Os moços da ex-UNE querem fazer dessa morte um caso político de repercussão nacional e anunciam mais passeatas. A que pode servir tudo isso? O irmão do morto diz que talvez sirva a alguma coisa, um dia. Que coisa?
submitted by LamedVavnik to brasil [link] [comments]


2018.12.15 01:59 taish Guarda-roupa para mulheres trans, uma conversa

Pra acompanhar o belíssimo post do Marsh sobre transicionar as roupas dos meninos, vou deixar aqui pras meninas umas coisinhas que aprendi pelo caminho ^ ^ Não é muito, e o título do post é mais abrangente do que deveria, mas lembro de estar super perdida e querendo encontrar qualquer material trans-friendly. Ainda tenho imensas lacunas nessa área, então deixem suas dicas e hacks também!
O formato mais comum de corpo nas mulheres trans é o "triângulo invertido": ombros largos, quadril pequeno. Esse é um biotipo comum entre mulheres cis também, e não tem nada de errado com ele — porque todos os corpos são lindos <3 Mas às vezes a disforia se atravessa, e nesse caso, com estilo se resolve. Então várias dessas dicas são pensando em equilibrar o visual e deixar a silhueta mais harmônica.
Enfim, a dica mais importante: encontrem o estilo de vocês! Descubram as peças, estilos e cores que caem bem, e que vocês se sentem bem, bonitas e confiantes, porque esse é o objetivo.
E pra quem ficou com calafrios ao ler o post, nada de pânico! Dá pra viver full-time com um jeans, um all-star e um par de camisetas, e ir adicionando peça a peça, aos pouquinhos. Comecei assim, inclusive! Como todas as partes da transição, vai-se aos poucos, descobrindo no trajeto, que assim é que é legal.
E vocês, o que descobriram, quais suas peças preferidas? Deixem suas dicas também, e boa aventura!
submitted by taish to transbr [link] [comments]


MENINA TA LOUCA QUER QUEBRAR MH CAMA, SAFADINHA DEMAIS NÃO ... AS MINA TÁ LOUCA QUER QUEBRAR MINHA CAMA ,ESSA CARA DE PATRÍCIA,VAI NO CHÃO DOIDONA - MC VITTIN PV VAI NO CHÃO DOIDONA - MENINA TÁ LOUCA QUER QUEBRAR MINHA CAMA Menina tá louca quer quebrar minha cama MENINA TA LOUCA QUER QUEBRAR MINHA CAMA / SABE QUE NOS É BANDIDO VS FUNK 150BPM (VIICTINHO FERRAZ) SAFADINHA DEMAIS, NÃO PRESTA - MENINA TÁ LOUCA, QUER QUEBRAR MINHA CAMA ((DJS BARNABÉ E ML DO GIRA)) MENINA TA LOUCA QUER QUEBRAR MINHA CAMA, VAI NO CHÃO DOIDONA [ DJ’S BRUNO DAVID & DZ MARTINS ] Menina Da Um Mortal E Quebra A Perna MC VITTIN PV - MENINA TA LOUCA QUER QUEBRAR MINHA CAMA, VAI NO CHÃO DOIDONA + LETRA [ TAMBOR XRC ] VAI NO CHÃO DOIDONA - MENINA TÁ LOUCA QUER QUEBRAR MINHA CAMA [ DJ BIEL DE VILA VELHA ] MC VITTIN PV

MENINA DE 9 ANOS ESTUPRADA PELA MÃE DESABAFOU COM A ...

  1. MENINA TA LOUCA QUER QUEBRAR MH CAMA, SAFADINHA DEMAIS NÃO ...
  2. AS MINA TÁ LOUCA QUER QUEBRAR MINHA CAMA ,ESSA CARA DE PATRÍCIA,VAI NO CHÃO DOIDONA - MC VITTIN PV
  3. VAI NO CHÃO DOIDONA - MENINA TÁ LOUCA QUER QUEBRAR MINHA CAMA
  4. Menina tá louca quer quebrar minha cama
  5. MENINA TA LOUCA QUER QUEBRAR MINHA CAMA / SABE QUE NOS É BANDIDO VS FUNK 150BPM (VIICTINHO FERRAZ)
  6. SAFADINHA DEMAIS, NÃO PRESTA - MENINA TÁ LOUCA, QUER QUEBRAR MINHA CAMA ((DJS BARNABÉ E ML DO GIRA))
  7. MENINA TA LOUCA QUER QUEBRAR MINHA CAMA, VAI NO CHÃO DOIDONA [ DJ’S BRUNO DAVID & DZ MARTINS ]
  8. Menina Da Um Mortal E Quebra A Perna
  9. MC VITTIN PV - MENINA TA LOUCA QUER QUEBRAR MINHA CAMA, VAI NO CHÃO DOIDONA + LETRA [ TAMBOR XRC ]
  10. VAI NO CHÃO DOIDONA - MENINA TÁ LOUCA QUER QUEBRAR MINHA CAMA [ DJ BIEL DE VILA VELHA ] MC VITTIN PV

Produção: MT SUCESSO, PH DA SERRA & TG DA INESTAN Ano: 2020 Letra: Menina ta louca Quer quebrar minha cama Com essa cara de patricia Engana sua fama Periculosa, sentando comanda Uma noite você ... 50+ videos play all mix - safadinha demais, nÃo presta - menina tÁ louca, quer quebrar minha cama ((djs barnabÉ e ml do gira)) youtube Michael Jackson - Smooth Criminal (Official Video ... Se escreve aí. Os Pingos Nos Is - 03/08/20 - CLIMÃO NO STF / MORAES INTIMIDA FACEBOOK / UMA ORAÇÃO PARA WITZEL Os Pingos nos Is 38,176 watching Live now Se inscreva-se e deixe seu Like para fortalecer o canal. E Ajuda a compartilhar o canal, se tiver canal comenta aí em baixo que irei se inscreve e contribuir tbm. Tmj ⏺Instagram: 083 ... LETRA: Menina ta louca, quer quebrar minha cama Com essa cara de patricia, engana sua fama Periculosa, sentando comanda. Uma noite você tem para mostrar que me ama Sabe que nós é bandido e não ... menina ta louca quer quebrar minha cama / sabe que nos É bandido vs funk 150bpm (viictinho ferraz) ... no pistÃo da coronel - mc nv 57 [ alle o brabo ] 2k19 - duration: 2:16. pl torvic 148,455 ... vai no chÃo doidona - menina tÁ louca quer quebrar minha cama [ dj biel de vila velha ] mc vittin pv - duration: 2:41. grave br pbs official 683 views. new sequência baile do bato,baile do bato,música baile do bato,10 minutinhos baile do bato,baile do bato música,sequência beat modinha,sequência beat modinha ,sequência beat bolha,sequência ... #Video #para #status Letra: Menina tá louca Quer quebra minha cama Essa cara de Patrícia engana só fama De periculosa senta no comanda Uma noite você tem pra... menina ta louca quer quebrar minha cama / sabe que nos É bandido vs funk 150bpm ... mc's faelzin, luan da bs, vh, anjim, laranjinha, braz e godonho - os cara do problema ...